16/07/2021 às 01h06min - Atualizada em 16/07/2021 às 01h06min

Famílias carentes da região podem perder assistência em plena pandemia

Famílias que dependem da "Associação pela Família" uma entidade mantenedora da Escola Nossa Senhora das Graças localizada no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo, estão aflitas. A organização anunciou nesta semana que fechará, no próximo mês de agosto, as duas unidades sócio assistenciais que mantêm na região do Butantã, zona oeste da capital, ‘Clarice’ no Jardim Jaqueline e o ‘CCA Gracinha’ no Jardim Monte Kemel. Os dois centros de convivência atendem mais de 300 crianças e adolescentes, além de suas famílias.  São serviços que atuam com a população em alta e altíssima vulnerabilidade na região. O motivo alegado para o fechamento foi o custo previsto para as obras de acessibilidade nos prédios dos dois serviços. Os imóveis são antigos e precisam de reformas que garantam que os centros possam atender usuários portadores de alguma deficiência, que os impeça de acessar as unidades por escadas, portas ou qualquer  outra forma restritiva. O comunicado  da OSC -  Organização da Sociedade Civil surpreendeu e intranquilizou  a todos,  ainda mais nesse momento de pandemia, em que as famílias atendidas estão ainda mais fragilizadas. A deliberação de encerrar a assistência em 60 dias foi tomada em assembleia geral de associados da Organização. O impacto é direto sobre as 300 crianças e adolescentes que dependem desses serviços, além das duas equipes que totalizam  22 profissionais.  Tudo isso,  porque não há tempo suficiente para que outra organização possa substituir a ASPF no convênio que ela mantém com a Secretaria Municipal de Assistência,  o que acarretará no fechamento dos serviços e  perda das vagas de assistência social, na região do Butantã. É importante destacar, que ao longo dos últimos anos a Subprefeitura do Butantã fechou aproximadamente 1.200 vagas de serviços sócio- assistenciais nos territórios mais necessitados da região, o que atinge diretamente as condições sociais da população residente nesses distritos. As famílias atendidas bem como as comunidades em que estão inseridos esses serviços estão se organizando nas redes sociais para impedir o fechamento. O Ministério Público também foi acionado e circula um abaixo-assinado online de apoio ao movimento. Pessoas interessadas podem acessar o abaixo-assinado clicando neste link : https//peticaopública.com.br/viewsignatures.aspx?pi= BR111162 Você também pode ter maiores informações e acompanhar a mobilização da população por meio das redes [email protected]@fica clarice no Instagram e no Facebook. Colaboração jornalista Ana Aragão


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://gazetadepinheiros.com.br/.