27/01/2022 às 20h58min - Atualizada em 27/01/2022 às 20h58min

​Árvores perigosas colocam moradores em risco em Pinheiros e região

A arborização é muito importante dentro da configuração do espaço urbano. Os benefícios ambientais proporcionados, tais como a diminuição da poluição, do calor e do ruído, embelezamento e maior permeabilidade do solo são essenciais à qualidade de vida. Porém, exigem atenção constante. Além disso, podas podem colocar árvores em risco quando feitas de forma equivocada.
As diretrizes sobre o plantio de árvores em calçadas estão no Manual Técnico de Arborização Urbana, instituído pela Portaria Intersecretarial 03/SVMA-SMSP/2015. Nele constam as dimensões mínimas para os canteiros de árvores. Deve existir área permeável para infiltração de água e aeração do solo. É imprescindível também não fechar a região do colo do tronco, que corresponde à sua área sensível. Se for fechada com terra ou mesmo concretada, levará à morte da árvore.

Moradores dão relatos sobre situação
“Alguém poderia me ajudar? Já liguei para 156 e até hoje nada fizeram. Esta árvore fica ao lado da minha casa, só que está invadindo telhado e enchendo as calhas de folhas e entupindo. Com isso está infiltrando água nas beiradas e até caiu a calha. É precisava podar urgente. Endereço Rua Fidalga na altura do 642 Esquina da Rua Purpurina em frente ao ponto de ônibus.” R.A.

“Nessas épocas de chuva, o serviço que já não é bom fica mais saturado ainda. O que costuma funcionar: ir até a Subprefeitura, com os números dos protocolos do 156 e fotos e pedir para falar com o setor responsável. Geralmente são muito atenciosos lá.” M.P.

“Em frente a minha casa tem uma árvore gigantesca que há dois anos pedimos para podar junto com mais quatro moradores. Veio a Defesa Civil, e também constatou que a Prefeitura tem que fazer o serviço, mas não faz, nem toma providências. Temo pelo perigo e tem que ser desligada a energia da rua. Se cair um galho, vai acabar com o telhado da minha casa e da vizinha. Nem falo de calhas, pois minha preocupação é uma tragédia acontecer. A minha casa é em frente da rua Fidalga, 643, a casa que tem a árvore.” E.C.

“A Subprefeitura de Pinheiros é um horror. Você vai literalmente 10 vezes, não resolve nada e desiste antes de ficar com úlcera ou ser presa.” D.M.

“Aí vem a prefeitura e corta arvores pequenas que fazem algum trabalho para cidade, e deixa as grandes que correm o risco de cair, sem fazer nada!” G.A.

“Envie também sua reclamação para o CONSEG PINHEIROS, juntando o protocolo não atendido do 156.   [email protected]” I.P.

“Na Rua Paraopeba e temos uma ‘situação’ semelhante. Temos uma árvore muito gigante, que está um verdadeiro perigo, nestas épocas de chuvas e ventania. Ela fica bem na entrada da rua, em frente aos números 31 e 33. Para vocês terem uma ideia, o medo é de APENAS com a queda de um único galho, que pode ser fatal. Já fiz uma reclamação no 156 há um ano, sem qualquer posicionamento da Subprefeitura de Pinheiros ou qualquer órgão a que compete a manutenção/poda - seja a Subprefeitura ou a ENEL....” T.L.

“Quando cair, pois é uma questão de tempo, vai atingir também a casa da minha mãe, que fica na esquina. É um descaso total do poder público”. C.N.

“Da minha casa (33) não vai sobrar nada. Sem falar nas mortes que pode causar, dentro e fora das residências, caso passe alguém na rua na hora do acidente. É mais uma tragédia anunciada!” V.B.

“Também sou vizinha da casa 33, bem em frente dessa árvore. Ela está bem na frente do número 38 da Rua Paraopeba e faz anos que estamos tentando alguma providência antes que algo pior aconteça ali.” V.B.

“O endereço é Rua Paraopeba, minha casa 31. Se puder nos ajudar agradeço. Travessa da Rua Ferreira de Araújo. Pinheiros.” E.C.

Prefeitura afirma que Enel deve podar árvores
A Prefeitura de São Paulo, por meio da Subprefeitura Pinheiros, informa que as árvores localizadas nas ruas Fidalga nº 643, e Paraopeba nº 33 estão em contato com a rede elétrica. A Enel foi acionada pela administração regional em dezembro e aguarda a execução das podas pela concessionária.
Pedidos para serviços em árvores precisam ser feitos pelos canais oficiais disponibilizados pela Prefeitura. O portal 156 está disponível em site, aplicativo mobile e telefone.

Queda provoca apagão
Um dos principais problemas relacionado à queda de árvores remete à falta de energia que é ocasionada, quando os fios do sistema de transmissão são interrompidos. No Jardim Bonfiglioli, por exemplo, moradores relataram mais de 48 horas de apagão devido a um acidente do gênero.

Prefeitura diz ter ação preventiva
A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB), realiza serviços de manejo arbóreo de forma preventiva em todos os meses do ano. Em casos de risco iminente ou emergências, as ocorrências são atendidas pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil Municipal. Após o trabalho emergencial, as equipes das subprefeituras atuam na remoção de galhos e troncos, limpeza e manutenções.
Em 2021 havia uma média mensal de 104 equipes para os serviços de manejo arbóreo na cidade. Cerca de 180 mil árvores foram podadas ou removidas durante o ano pelas administrações regionais.
Houve uma redução de 91% no tempo de atendimento médio para serviços em árvores. Em 2017, o tempo médio de atendimento de avaliações de árvores para fins de poda e remoção era de 507, já em 2021, diminuiu para 44 dias.
Os pedidos em estoque no sistema da Prefeitura também diminuíram em total de 95,6% em relação à dezembro de 2017. No final de 2021, eram 11 mil pedidos em estoque, ante 250 mil de Dezembro de 2017.

Sistema de Gerenciamento de Zeladoria (SGZ)
Os serviços são mapeados pelo Sistema de Gerenciamento da Zeladoria (SGZ), que foi desenvolvido com o objetivo de monitorar as ações realizadas pelas subprefeituras de forma integrada, como tapa-buraco, poda e remoção de árvores, limpeza de córrego, entre outras. A plataforma dispõe da quantidade e monitoramento de equipes, identificação dos problemas com maior incidência e informações sobre contratos e orçamentos, tudo num ambiente único.
A Secretaria Municipal de Segurança Urbana (SMSU) informa que a Defesa Civil atua em casos de risco iminente ou consumado de quedas de galhos ou árvores de até médio porte, avaliando a probabilidade de queda ou atuando na desobstrução emergencial de vias.
No mês de dezembro de 2021, a Defesa Civil atendeu 310 ocorrências de quedas de árvores. Na última semana, houve 486 ocorrências até a manhã de do dia 21. Nos meses de dezembro/2021 e janeiro/2022, a SMSU realizou um total de 1223 atendimentos para quedas de árvores na capital.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://gazetadepinheiros.com.br/.